Revolução

25 de jan de 2015

O céu e a terra já estão no mesmo lugar 
Aqui, um lugar belo para passar
Um dia para sentarmos e... olhar 
Minha alma pede para que você fique 

Venha até mim, sente 
Olhando seus olhos, me desculpe
Já estamos distantes, 
Estou correndo para longe,
Tão longe que não sei onde chegar. 
Voltaremos um dia a conversar. 

Queria minha despedida, 
Mas não consigo, não quero terminar 

Acho q recomeçou, tudo antigo 
Tudo imutável, mas novo 


Velejar

14 de jan de 2015

   Corri até a beirada. Minhas pegadas ficaram naquela areia. Mas tudo que ali permanecia, em algum momento, se apagava. Talvez fosse o vento, a brisa que atravessava o oceano, ou talvez fosse outras pessoas que por ali passavam. Olhei lá longe, em uma pequena aglomeração rochosa. Não estava enxergando muito bem, minha vista estava um pouco embaçada. Mas sabia que ela estava lá.
   Não sabia como chegar, não conseguiria nadar. Avistei uma canoa alguns passos ao meu lado. Corri até ela. Desta vez o próprio oceano apagava minhas pegadas. Era velha, com alguns pedaços faltando em sua beirada. Mas era o suficiente. Não iria afundar. Não iria me consumir. Enquanto minha canoa, a canoa, nadava pelo mar, no meio daquele frio que estava, ia cortando as lágrimas que a lua estava deixando. Mas não estava piorando. Acho que ajudava.
   Quando cheguei nas rochas a avistei. Do outro lado da pequena ilha. Estava com um vestido verde, bem apagado. Muito parecido com o que eu estava usando. Seu cabelos inquietos com a brisa não descansavam. Cheguei ao seu lado. Não trocamos nenhuma palavra, como de costume. Sentamos e apreciamos o oceano.
   O mundo ficava diferente. Ou era o mesmo? Não sei. Mas com ela minha dor mudava. Trocava de roupa. Talvez seja porque compartilhamos dela. Talvez. "Luna". Ela me chamou. Luna? Luna é o meu nome? Luna era o meu nome para ela. Sempre pensei que minha existência era tão inexistente quanto minha sorte, mas estava errada. Podia não ter nome. Podia não ter nome para o mundo. Para o universo. Mas para ela eu tinha. Para ela eu existia. Finalmente descobri. Eu existo. Para ela, mas era o suficiente.
   "Vivemos para recordar?", ela me perguntava. Não tenho a resposta. Queria dizer não. Vivemos o presente, e apenas. Mas sabia que estava errada. Mas não vivemos para recordar. Acho que não vivemos para algo. Não sei se vivemos. Sobrevivemos. Isso. Até me soa familiar.
   Decidi voltar para casa, ficar no meu quarto. Mirei a canoa na praia e deixei ela tomar seu rumo. Quase o destino. Quando cheguei no meu quarto, na minha cama, acordei. Não que estivesse sonhando, ou dormindo, mas acordei. Tudo voltou. Mas algo estava diferente. Eu me chamava Luna.

Luna

13 de jan de 2015

Dê-me motivos para o sol nascer 
Quero vê-lo entre os pinheiros 
Sair do oceano, escapar 
Fugir, viajar, começar a viver 

A lua me domina 
Ela está entre os pinheiros 
Uma névoa em sua frente 
Ela também não se mostra 

Segura-me, minha querida Luna 
Estou na grama, molhado 
Minha Luna, porque choras? 
Eu estou aqui, também te seguro 

O vento congela a minha pele 
Mas não posso deixá-la no céu 
Sozinha, só com seu sentir 
Sozinha, sem poder fugir 

Minha Luna, sempre esteve aqui 
Minha Luna, talvez a manhã, 
Não irá surgir

Manhã

8 de jan de 2015

A morte está lá fora
Será que apenas eu vejo? 
Corpos no chão, almas dispersas 
O sorriso levado aos ventos 

Apenas um segundo 
O sol se pondo 
O horizonte no mesmo lugar 
Quando vou alcançá-lo? 

A maré desceu 
A lua subiu ao trono 
Lágrimas por todo o gramado 
Ninguém colheu 

Ela aparece a todo instante 
Viva... não posso tocá-la 
Nada passou 
Meu coração ainda não bateu 

Vidros no chão, quebrados 
Todo o sangue em pedaços 
O chão molhado com o tempo 
Tudo, então, espelhado